Navio


  • O navio não recebe autorização para operar e ninguém pode desembarcar. 

  • A Anvisa e a vigilância epidemiológica sobem a bordo para inspecionar a embarcação e avaliar o caso suspeito. 

  • Caso a suspeita seja mantida, o passageiro ou tripulante é removido para um hospital de referência. 

  • O navio não recebe a Livre Prática (autorização para operar) e a tripulação e os passageiros ficam impedidos de desembarcar, devendo seguir as orientações da Anvisa. 

  • Se o caso for confirmado, a Anvisa e a vigilância epidemiológica fazem uma avaliação sobre o procedimento com a tripulação e os passageiros que ficaram a bordo. 

  • No caso de navios que já haviam iniciado a operação quando o caso suspeito apareceu, a Anvisa manda suspender a operação do navio e os tripulantes devem ficar a bordo. Se algum tripulante suspeito já tiver desembarcado, a vigilância epidemiológica realizará a investigação de possíveis contatos.